Normas de submissão

 

As submissões na revista UMA-Science serão feitas apenas pela via on-line, e para a formalização da submissão os autores deverão anexar os seguintes documentos:

1. Artigo científico em ficheiro Word;

2. Carta de submissão, ficheiro em pdf (Modelo de carta de submissão);

3. Declaração de conflitos de interesse, ficheiro em pdf (Modelo de declaração de conflitos de interesse);

4. Transferência de direitos autorais, ficheiro em pdf (Transferência de Direitos Autorais).

 

NORMAS DE SUBMISSÃO

 

ESTRUTURA DO ARTIGO 

a. Título;

b. Autor (es);

c.Resumo e Abstract;

d. Palavras-chave;

e. Introdução;

f. Material e métodos;

g. Resultados;

h. Discussão;

i. Considerações finais

j. Referências.

k.Anexos

 

PRIMEIRA PÁGINA / PÁGINA DE IDENTIFICAÇÃO

TÍTULO 

Deve compreender os conceitos-chave que o tema encerra, não poderá ter mais do que 25 palavras.

 

AUTORES

Os nomes dos autores devem ser apresentados sem titulações ou graus acadêmicos, devem ser postos abaixo do título, alinhados à esquerda.

 

INSTITUIÇÕES

Deve-se indicar as instituições a que pertencem os autores, com a seguinte ordem: nome da instituição, departamento, curso ou laboratório a que pertence dentro desta instituição, endereço da instituição, município e país.

 

CORRESPONDÊNCIA

Informar a morada para correspondência, e endereço eletrônico do primeiro autor. Se a investigação foi realizada com apoio financeiro institucional, mencionar o nome da instituição financiadora.

 

TÍTULO PARA AS PÁGINAS

O Título resumido para as páginas possuir até 50 caracteres com espaço.

 

 

PÁGINA DE RESUMOS

RESUMO E ABSTRACT

Texto, com uma quantidade predeterminada de palavras, mínimo 250 e máximo 280 palavras, onde se expõe introduçãoobjectivo do artigo, a metodologia utilizada para solucionar o problema e os resultados alcançados e as considerações finais. O Abstract deverá seguir a mesma composição. 

 

PALAVRAS-CHAVE

São palavras características do tema que servem para indexar o artigo, até 6 palavras.

 

 

ESTRUTURA DA REDAÇÃO DO ARTIGO

INTRODUÇÃO

O objectivo da Introdução é situar o leitor no contexto do tema pesquisado, oferecendo uma visão global do estudo realizado, esclarecendo as delimitações estabelecidas na abordagem do assunto, os objectivos e as justificativas que levaram o autor a tal investigação para, em seguida, apontar as questões de pesquisa para as quais buscará as respostas. 

Nesta parte do artigo, o autor deve fazer uma exposição e uma discussão das teorias que foram utilizadas para entender e esclarecer o problema, apresentando-as e relacionando-as com a dúvida investigada;

Apresentar as demonstrações dos argumentos teóricos e/ ou de resultados que as sustentam com base nos dados colhidos;

Neste aspecto, ao constar uma Revisão de Literatura, o objectivo é de desenvolver a respeito das contribuições teóricas a respeito do assunto abordado.

O corpo do artigo pode ser dividido em subtítulos necessários que possam desenvolver a pesquisa. É importante expor os argumentos de forma explicativa ou demonstrativa, através de proposições desenvolvidas na pesquisa, onde o autor demonstra, assim, ter conhecimento da literatura básica, do assunto, onde é necessário analisar as informações publicadas sobre o tema até o momento da redacção final do trabalho, demonstrando teoricamente o objecto de seu estudo e a necessidade ou oportunidade da pesquisa que realizou. 

 

MATERIAL E MÉTODOS

Deve ser sintético mas preciso, contendo, no entanto, informação suficiente de modo que, no caso de a experiência vir a ser repetida por outrem, possam ser obtidos resultados idênticos.

Normalmente considerado como um ponto secundário do trabalho, esta é, no entanto, essencial para a compreensão da experiência a realizar. 

 

RESULTADOS 

Descrição do que se observa na experiência. Inclui o registo e tratamento dos dados, bem como os esquemas e ou as figuras das observações efectuadas. 

 

DISCUSSÃO

Interpretação dos resultados. A discussão deve comparar os resultados obtidos face ao objectivo pretendido. Não se devem tirar hipóteses especulativas que não possam ser fundamentadas nos resultados obtidos. A discussão constitui uma das partes mais importantes do artigo, uma vez que é nela que os autores evidenciam todos os conhecimentos adquiridos, através da profundidade com que discutem os resultados obtidos correlacionando-os com outros resultados encontrados na literatura científica.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Após a análise e discussões dos resultados, são apresentadas as conclusões/considerações finais e as contribuições do manuscrito, evidenciando com clareza e objectividade as deduções extraídas dos resultados ou apontadas ao longo da discussão do assunto. Neste momento são trianguladas as diversas ideias desenvolvidas ao longo do trabalho, sintetizando os principais resultados, com os comentários do autor e as contribuições trazidas pela pesquisa. 

Cabe, ainda, lembrar que a conclusão é a resposta às hipóteses enunciadas e aos objectivos do estudo, apresentados na Introdução, pelo que não se admite que nesta secção sejam incluídos dados novos, que já não tenham sido apresentados anteriormente.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Devem ser apresentadas todas as referências mencionadas no texto, de forma sequencial, na ordem em que são mencionadas no texto.  As referências devem ser preferencialmente de artigos científicos atuais.

 

LINGUAGEM DO ARTIGO

Tendo em vista que o artigo se caracteriza por ser um trabalho extremamente sucinto, exige-se que tenha algumas qualidades: linguagem correcta e precisa, coerência na argumentação, clareza na exposição das ideias, objectividade, concisão e fidelidade às fontes citadas. 

Quanto à linguagem científica é importante que sejam analisados os seguintes procedimentos no artigo científico:

1) Impessoalidade: 

a) Redigir o trabalho na 3ª pessoa do singular; 

2) Objectividade: 

a) A linguagem objectiva deve afastar as expressões: “eu penso”, “eu acho”, “parece-me” que dão margem a interpretações simplórias e sem valor científico; 

3) Estilo científico: 

a) a linguagem científica é informativa, de ordem racional, firmada em dados concretos, onde se pode, apresentar argumentos de ordem subjectiva, porém dentro de um ponto de vista científico; 

4) Vocabulário técnico: 

a) A linguagem científica serve-se do vocabulário comum, utilizado com clareza e precisão, mas cada ramo da ciência possui uma terminologia técnica própria que deve ser observada; 

5) A correcção gramatical:

a) Deve procurar relatar a pesquisa com frases curtas, evitando muitas orações subordinadas, intercaladas com parênteses, num único período. 

b) O uso de parágrafos deve ser dosado na medida necessária para articular o raciocínio:

i) Sempre que se dá um passo a mais no desenvolvimento do raciocínio, muda-se o parágrafo. 

Um parágrafo segue a mesma circularidade lógica de toda a redacção: introdução, desenvolvimento e conclusão. Convém iniciar cada parágrafo através do tópico frasal (oração principal), onde se expressa a ideia predominante. Por sua vez, esta é desdobrada pelas ideias secundárias; todavia, no final, ela deve aparecer mais uma vez. Assim, o que caracteriza um parágrafo é a unidade (uma só idéia principal), a coerência (articulação entre as ideias) e a ênfase (volta à ideia principal).

6) Os recursos ilustrativos: 

a) Os gráficos estatísticos, desenhos, tabelas retiradas de bibliografia para ilustrar os conteúdos expostos, são considerados como figuras e devem ser criteriosamente distribuídos no texto, tendo suas fontes citadas.  

A condição primeira e indispensável de uma boa redacção científica é a clareza e a precisão das ideias. Saber-se-á como expressar adequadamente um pensamento, se for claro o que se desejar manifestar. O autor, antes de iniciar a redacção, precisa ter assimilado o assunto em todas as suas dimensões, no seu todo como em cada uma de suas partes, pois ela é sempre uma etapa posterior ao processo criador de ideias.

 

 

 APRESENTAÇÃO GRÁFICA DO ARTIGO

 

FORMATO  

O grafismo é de responsabilidade do autor do trabalho, contudo existem regras de cada revista e que deve sempre consultar. De uma forma geral o texto deve ser digitado no anverso da folha, formato A4, formato A4 (210 x 297 mm). Deve ser entregue o ficheiro em formato word.doc. 

Utiliza-se a fonte arial de tamanho 12 para o texto; e menor para as citações longas, notas de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e tabelas. Não se deve usar, para efeito de alinhamento, barras, marcações ou outros sinais, na margem lateral do texto.

O artigo poderá ter no máximo 5.000 palavras, excluindo-se a página de identificação, o resumo e o abstract, as referências, tabelas, figuras e legendas.

 

MARGENS

As margens são formadas pela distribuição do próprio texto, no modo justificado, dentro dos limites padronizados pelas revistas. As margem superior e esquerda é devem ser maiores que a inferior e a direita em 0,5 cm.

 

PAGINAÇÃO

A numeração deve ser colocada no canto direito e conforme especificação do periódico que pretende publicar pode ser no cabeçalho ou no rodapé; com algarismos arábicos e tamanho da fonte menor que no corpo do texto, sendo que a primeira página é numerada, mas é contabilizada.

 

ESPAÇAMENTO

O espaçamento entre as linhas é de 1,5. As notas de rodapé, o resumo, as referências, as legendas de ilustrações e tabelas, as citações textuais de mais de três linhas devem ser digitadas em espaço simples de entrelinhas.

As referências listadas no final do trabalho devem ser separadas entre si por um espaço duplo. Contudo, a nota explicativa apresentada na folha de rosto, na folha de aprovação, sobre a natureza, o objectivo, nome da instituição a que é submetido e a área de concentração do trabalho deve ser alinhada do meio da margem para a direita.

 

CITAÇÕES

As citações devem ser apresentadas no sistema de numeração sequencial. 

 

ILUSTRAÇÕES E TABELAS

As ilustrações compreendem quadros, gráficos, desenhos, mapas e fotografias, quadros, plantas, retratos, organogramas, fluxogramas, esquemas ou outros elementos autónomos e demonstrativos de sínteses necessárias à complementação e melhor visualização do texto. 

Devem ser incluídas sequencialmente ao texto nos locais em que são mencionadas, e numeradas com algarismos romanos.

 

 

 FORMATO DAS REFERÊNCIAS

a. Artigo escrito por até 3 autores

Chopard A, Hillock S, Jasmin BJ. Molecular events and signalling pathways involved in skeletal muscle disuse-induced atrophy and the impact of countermeasures. J. Cell. Mol. Med. 2009; 13(9B): 3032-50.

 

b. Artigo escrito por até 6 autores

Gomes ARS, Soares AG, Peviani SM, Nascimento RB, Moriscot AS, Salvini TF. The effect of 30 minutes of passive stretch of the rat soleus muscle on the myogenic differentiation, myostatin and atrogin-1 gene expressions. Arch Phys Med Rehabil. 2006; 87(2):241-6. 

 

c. Artigo escrito por mais de 6 autores

Wallenius V, Wallenius K, Ahrén B, Rudling M, Carlsten H, Dickson SL et al. Interleukin-6-Deficient Mice Develop Mature-Onset Obesity. Nat Med. 2002; 8: 75-79. 

 

d. Referência de Livro

Mcardle WD, Katch FI, Katch VL. Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. 38p.

 

e. Refeência de Dissertação/Tese

Braz MM. Educação Integral: um modelo de ensino da fisioterapia baseado na física quântica [Tese]. Florianópolis: UFSC; 2016.

 

Forti F. Análise do Sinal eletromiográfico em diferentes posicionamentos, tipos de eletrodos, ângulos articulações e intensidade de contração [dissertação]. Piracicaba: UNIMEP; 2015.

 

Notas de Rodapé

As notas de rodapé destinam-se a prestar esclarecimentos, tecer considerações, que não devem ser incluídas no texto, para não interromper a sequência lógica da leitura. Referem-se aos comentários e/ou observações pessoais do autor e são utilizadas para indicar dados relativos à comunicação pessoal.

As notas são reduzidas ao mínimo e situar em local tão próximo quanto possível ao texto. Para fazer a chamada das notas de rodapé, usam-se os algarismos arábicos, na entrelinha superior sem parênteses, com numeração progressiva nas folhas. São digitadas em espaço simples em tamanho 2 pontos inferior ao corpo do texto. Exemplo de uma nota explicativa: 

A hipótese, também, não deve se basear em valores morais. Algumas hipóteses lançam adjectivos duvidosos, como bom, mau, prejudicial, maior, menor, os quais não sustentam sua base científica*.

  

*Contudo nem todos os tipos de investigação necessitam da elaboração de hipóteses, que podem ser substituídas pelas “questões de investigação”. 

 

left show fwR b04s tsY bsd|left tsN fwR show b03s bsd|left show fwR tsY b03s bsd|bnull|||login news fwB fwR tsY normalcase c10|fsN fwR normalcase tsY c10|normalcase c10 tsY|login news fwR normalcase tsY c10|fwR tsY normalcase c10|normalcase tsY c10|content-inner||